Super User  

Super User

Fonte: Classificados Folha
Data: 20/11/2011

Artigo sobre redes sociais corporativas cita o Círculo Colaborativo do Santander, projeto desenvolvido pela Sciere.

Perfis, comentários, posts e "timeline". As tradicionais intranets corporativas estão de cara nova e cada vez mais parecidas com redes sociais.

A aposta é mais do que uma tentativa de acompanhar mudanças no mundo digital. Companhias como Basf, Boa Vista Serviços, CSC, Itaú Cultural, Santander e Totvs, por exemplo, investem em plataformas próprias -além de permitirem acesso às redes externas- como forma de manter a geração Y [nascidos entre 1978 e 2000] motivada.

"As empresas têm mudado a maneira de se comunicar para reter profissionais", afirma Leonardo Bortoletto, diretor-presidente da WebConsult, de projetos digitais.

Fonte: TI Inside Online
Data: 23/08/2011

O diretor de tecnologia da Sciere, Mauricio Matsubara, fala sobre o projeto desenvolvido para a área de urologia pediátrica do Children's Hospital de Boston, vinculado à Harvard Medical School. O portal de educação colaborativa envolve a automatização de todo o processo de videoconsultas e foi criado para dar apoio a médicos em países em desenvolvimento no tratamento de doenças.

Uma solicitação para o desenvolvimento de um simples website voltado para a área de urologia pediátrica, feita pelo Children's Hospital, em Boston, vinculado à Harvard Medical School, acabou mudando a vida da pequena Sciere, empresa paulista de consultoria e desenvolvimento de ambientes educacionais e colaborativos na web. Depois de passar boa parte de 2010 desenvolvendo o projeto do novo site, a empresa foi surpreendida com o pedido para automatizar todo o processo de videoconsultas para o portal de educação colaborativa, criado para dar apoio a médicos em países em desenvolvimento no tratamento de doenças. "Agora estamos na fase de expansão para outras especialidades, que têm outras complexidades", conta o diretor de tecnologia da Sciere, Mauricio Matsubara.

Fonte: Information Week Brasil
Data: 17/06/2011

Especialista comenta casos de sucesso e alerta para que os executivos não se fixem apenas no modelo Facebook.

Não tem jeito, pensar num projeto de colaboração ou numa rede social corporativa dificilmente será desvinculado do modelo Facebook. Uma interface fácil, jovem e com diversas possibilidades. Mas antes de definir o que adotar, Edson Fregni, diretor-geral da Sciere, aconselha a prestar atenção em outros pontos essenciais para que o projeto vingue e, também, a avaliar todos os modelos disponíveis para incentivar a troca de conhecimento em sua empresa.

Fonte: TI INSIDE
Data: 16/06/2011

Feita a partir das apresentações do Ciab 2011(congresso e exposição de tecnologia da informação das instituições financeiras), a matéria aborda, entre outros temas, a “Criação do conhecimento”, assunto exposto no evento por Edson Fregni, diretor da Sciere. "As redes sociais dão poder ao indivíduo e fizeram emergir o coletivo, que passou a ter voz única", afirmou Fregni durante o painel que apresentou.

Conectar 120.770 funcionários, 5.103 agências e 1.637 postos de atendimento bancários em 23 países, em todos os continentes são alguns dos números que dão uma idéia do projeto da rede colaborativa que o Banco do Brasil está desenvolvendo. A informação é de Alberto Luiz Gerardi, executivo do banco estatal, que participou do painel sobre Plataforma Corporativa de Colaboração, nesta quinta-feira, 16, no Ciab 2011, congresso e exposição de tecnologia da informação das instituições financeiras, que acontece em São Paulo.

Fonte: Computer World
Data: 15/06/2011

Edson Fregni esclarece, nesta entrevista, que as resistências à técnica cloud computing ainda ocorrem no mercado de bancos. “Primeiro, porque as nuvens públicas não oferecem a segurança requerida, e construir uma nuvem privada em nada se distingue de contratar (ou ter o próprio) serviço de hospedagem”, afirma.

Os serviços de pagamentos e recebimentos da rede bancária brasileira estão entre os mais eficientes e modernos do mundo. Isso porque o investimento em alta tecnologia sempre foi quase que um mantra no setor, para garantir posições privilegiadas em uma arena de forte concorrência.

Pagina 3 de 4